Jogos e interfaces touchscreen

O primeiro dia do SXSW começa às 14h, e tem apenas três horários de palestras – para esquentar os tamborins. E as três que eu assisti falaram de games (ok, novidade apenas para mim, que os ignorei até hoje).

Das três, a que dedico para os espertos arquitetos de informação e designers de interação da Saiba + é a Teaching touch: tapworthy touchscreen design. Na qual Josh Clark falou sobre como planejar interfaces baseadas em gestos, e como mostrar os gestos para os usuários, já que na presença deles os elementos que comumente usamos em interfaces são prescindíveis e devem ser deixados de fora. Josh tem especial implicância com o botão “Voltar”, onipresente em apps – mas dispensado na app do Twitter para iPad.

Para Josh, o mouse e o ponteiro dele não passam de prostéticos. E sobrou até para os interruptores de luz: são “middlemen”, já que introduzem uma camada de abstração entre o usuário e o objeto.

E o que ele quer de touchscreen interfaces? Que abandonem os prostéticos e os middlemen e vão direto ao conteúdo. Que proporcionem ao usuário essa interação direta com a coisa em si, e não com representações.

Problemas:
– não existem ainda convenções e padrões para gestos
– não existe  muito suporte de execução
– é mais difícil de dizer para o usuário que aquilo existe

A receita para esse último problema passa por deixar bebês testarem sua app, aprender com games e 1) Coach – ir apontando coisas à medida do uso; 2) Level up – planejar níveis de interação; e 3) Power up – (isso é muito interessante) depois de x vezes que o usuário fez uma coisa de um jeito, mostrar pra ele que ele pode fazer de outra maneira, mais fácil e mais gestual – mostrar o atalho.

O cara é mega empolgado. Novas plataformas não surgem todos os dias, diz ele. “I’m excited. Are you excited? We got the coolest job in the world. We are inventing the future!”

E o futuro está nas mãos dos usuários – e dos designers.

________________________

Referências:

– Ikea para iPad

– Clear app

– Touch up

– Al Gore’s Our Choice

– Sydney Morning Herald

 



comente