A usabilidade da boca do leão – parte 1

Se tem uma interface que todos os brasileiros economicamente ativos e em dia com suas obrigações fiscais conhecem (ou deveriam conhecer), é a do programa para declaração do imposto de renda. Todo ano, todo mundo lá, preenchendo a declaração. Todo ano, as mesmas – ou novas – reclamações.

Para começar, o próprio processo é um tanto misterioso para a maioria dos contribuintes. O básico todo mundo sabe: é preciso declarar a renda recebida para calcular o imposto devido. Mas existem meandros fiscais, jurídicos e contábeis que são simplesmente incompreensíveis para a maioria dos mortais. Daí, o mais fácil é mesmo desistir de entender e contratar um contador para fazer a declaração.

A interface do programa da declaração (IRPF) poderia ajudar a diminuir a dificuldade de entender o processo, através de um fluxo claro e passos bem encadeados e auto-explicativos. A Saiba + fez uma breve avaliação da usabilidade das interfaces do programa e do acesso a ele. Quem sabe chegue nas mãos dos responsáveis 😉

Antes de baixar o programa

– Para começar, é difícil saber quem é obrigado a declarar. Mesmo uma busca no Google não leva a uma página com essas informações, e sim para o download do programa. A informação está dentro do botão IRPF 2013 – que não é de fácil visualização num primeiro momento.

Screen Shot 2013-04-11 at 9.21.29 AM

– Falta clareza na explicação do que é necessário declarar. O texto utiliza uma linguagem diferente daquela do usuário final. O texto de ajuda na página de obrigatoriedade é redundante.

– A ‘timeline’ da declaração é uma boa idéia, mas mistura ações com informações. O formato ‘timeline’ dá a entender uma organização cronológica ou um fluxo de ações encadeadas. No caso dessa timeline, não fica clara a regra de ordenação usada.

Screen Shot 2013-04-11 at 9.28.36 AM

– A página deixa bem claro que o usuário deve baixar dois programas, um para declarar, outro para transmitir. No entanto, certos usuários só percebem isso ao finalizar a declaração e clicar em “Transmitir pela internet”. É uma surpresa: é necessário um outro programa para concluir uma tarefa básica do sistema. É quase como ter um software para escrever um e-mail e outro para enviar… No mínimo, o Receitanet (programa para transmissão) poderia ser instalado junto com o IRPF, pois o IRPF possui link para a transmissão via Receitanet.

PONTO POSITIVO: Reconhece o sistema operacional na hora do download do software.

 

(Análise de Carolina Michelassi, Daniela Sato, Danilo Borges, Diego Rezende, Renata Moreira)

 

Veja aqui a parte 2: você instalou o IRPF, e agora? 

E o post final. 



comente