O que eu aprendi com o teste de usabilidade – Maíra Menezes, Bionexo

Maíra Menezes

A Bionexo é um marketplace da área de saúde que atua no Brasil, Argentina, Colômbia, México e Espanha. A empresa surgiu a partir da necessidade de tornar mais ágil a comunicação entre hospitais e seus fornecedores. Essa comunicação acontece em uma plataforma online para cotação e compras de suprimentos hospitalares. A primeira interface, criada em 2000, tinha “cara de Excel” – segundo Maíra Menezes, UX designer da empresa. E essa interface só mudou em 2014, quando a empresa começou a investir em tecnologia e montou uma equipe de UX. Em 2015, a Saiba+ fez uma série de pesquisas para a Bionexo, incluindo baterias de testes de usabilidade com compradores e fornecedores. Maíra conta nesta entrevista o que ela aprendeu com os testes.

Como funciona o marketplace da Bionexo?

A Bionexo é um ambiente digital que integra instituições de saúde e fornecedores do setor, criando inúmeras oportunidades de negócios. O hospital entra lá, cria uma cotação e envia para fornecedores do país inteiro. Antes o hospital só tinha contato com fornecedores da sua região, e agora pode ter contato com empresas do Brasil inteiro, e eventualmente conseguir uma cotação melhor – além de todo o processo ser registrado digitalmente, o que ajuda na transparência da negociação.

Há quanto tempo existe o site?

O site foi criado em 2000, e ficou com a mesma cara até novembro de 2014. Os usuários estavam acostumados com um formato bem de planilha, o primeiro site parecia um Excel.

A primeira reação depois da mudança foi espanto com o espaçamento, scroll. Agora estamos trabalhando em uma terceira versão da interface.

Como está sendo o processo de reformulação? Quais metodologias foram usadas?

A empresa começou a investir em tecnologia há dois anos, e a equipe foi toda reestruturada. A maioria das pessoas veio de portais, e-commerce e startups que já tinham a cultura de experiência do usuário. No ano passado, comecamos a trazer metodologias de UX para criar a nova plataforma, que vai ter novas features e nova interface. O Alexandre Nigri, head de UX e gerente de produto, fez reuniões com POs e stakeholders e desenhou os wireframes. Depois começamos a fazer workshops de UX com representantes de cada área, discutindo temas especificos da plataforma, para criar novas features. Nos workshops, os times desenham personas e acaba todo mundo participando. Não é só o UX designer que tem que saber do usuário. Todo mundo aqui é UX, desde a pessoa que atende o telefone! Em 2015, começamos a utilizar metodologias para entender os usuários. Com a Saiba+, fizemos pesquisa online e entrevistas para conhecer o usuário comprador. Então fizemos um workshop para redesenhar o carrinho, que é muito complexo. Desenhamos um protótipo navegável e testamos internamente. Foi muito legal, vimos os funcionários ficarem muito mais motivados pelo produto. E, por fim, a Saiba+ nos auxiliou a testar a plataforma com o usuário fornecedor.

O que vocês esperavam dos testes?

Esperávamos saber se estávamos no caminho certo! Foi a primeira vez que a gente de fato teve contato com o usuário fornecedor.

E o que você achou do resultado dos testes?

Muito, muito bacana. O mais legal foi ver a reação dos usuários ao vivo: eles arregalavam os olhos e falavam “noooossa, que legal!” e a gente pensava “ufa, está dando certo”.

Vimos como estudar o usuário é importante. Estamos fazendo a área de busca e vimos que os participantes tiveram dificuldades para localizar a busca na interface. A vontade era voltar logo para a Bionexo só para arrumar a área de busca! A oportunidade de levar a equipe de tecnologia e business para assistir aos testes fez uma diferença absurda. Eles estavam distantes do produto. Quando trouxemos todos mais para perto, e eles assistiram aos testes, todo mundo voltou com a alma nova. Acho muito importante todo mundo ter esse contato com o usuário.

O que vocês fizeram com o resultado dos testes?

Apresentamos para os stakeholders e a partir disso comecamos a desenhar a nova plataforma. Em janeiro, apresentaremos a parte de fornecedor e vamos colocar em produção.

O que você aprendeu com os testes de usabilidade?

Vim de um e-commerce de moda, é a primeira vez que estou na área da saúde, que não é muito exporada, muito menos o usuário desse ramo. Aprendi que é muito complicado ajeitar tudo isso, mas é muito gostoso! Como ter uma linguagem e uma interface que deixe o dia a dia deles mais facil, mais atrativo, é uma coisa que já é chata. Aprendi que nosso usuário é muito carente… rsrs

A Bionexo pretende realizar outros testes de usabilidade?

Sim, queremos fazer uma coisa frequente, uma vez por mês uma bateria de três ou quatro testes para validar as novas features e ver como está andando o todo.

 

Maíra Menezes é UX designer da Bionexo há pouco mais de um ano.


, updated on

Alessandra Nahra

Escrevo, cuido de bichos, danço, cozinho, planto e tento ser amável com todo mundo.

comente