UXConfBR: celebrando o design estratégico

Saem wireframes e entram métricas, MVP, métodos ágeis. Na UXConfBR, que aconteceu em Porto Alegre nos dias 20 e 21 de maio, as clássicas conversas sobre entregáveis e processos perderam muitos minutos para discussões sobre como a UX está impactando nos negócios. Que o design é uma ferramenta estratégica nós já sabemos: a diretora da Saiba+ Carolina Leslie apresentou na UXConfBR, pela segunda vez (a primeira foi no WIAD), os resultados da pesquisa que mapeia a maturidade da UX Brasil e aponta os caminhos para que isso seja reconhecido e absorvido no mercado nacional. 

A boa notícia é que já está acontecendo. Um dos exemplos que mais deu água na boca foi o da Totvs. Gustavo Oliveira contou sobre a transformação cultural realizada na empresa de TI para colocar o design como influenciador direto na tomada de decisão de negócios. “Não é só fazer tela e ser bom para o usuário”, diz Pedro Belleza, um dos organizadores do evento (junto com Thiago Esser, Rafael Helm e Daniel Wildt). Já pensamos muito no usuário – está na hora de juntar as pontas e pensar no negócio.

Em outras palestras, profissionais da Dígitho, UOL, Conta Azul, PorQueNão, ThoughWorks, Phillips, Resultados Digitais contaram como fazem para incluir pesquisas e envolver outras áreas no processo de design, mostrando um pouco dos processos que criaram em cada lugar. Foi interessante notar as diferenças de equipes e métodos entre grandes empresas e start-ups, e constatar que, independente do tamanho e da cultura, a UX faz parte do dia a dia.

E o evento encerrou muito bem, com Natália Arsand (Booking.com) falando de design e psicologia em e-commerce, e trazendo uma camada mais profunda de conhecimento e reflexão sobre a área.

A UXConfBR está apenas em sua segunda edição – mas já se consolidou como um dos mais legais e interessantes eventos do calendário da UX brasileira. Foram 19 palestras, além de workshops e lightning talks, com profissionais de diversos segmentos, experiências e senioridades. A peculiaridade de acontecer fora dos tradicionais centros do sudeste do país, os happy hours bem organizados (com chopp artesanal e desconto), o friozinho gaúcho – além, é claro, do carisma dos organizadores (Pedro Belleza é um experiente “ativista” da UX brasileira) – animaram os cerca de 350 participantes que vieram de vários lugares do Brasil.

Bah, saímos todos tri contentes 🙂


, updated on

Alessandra Nahra

Escrevo, cuido de bichos, danço, cozinho, planto e tento ser amável com todo mundo.

comente